NOTíCIAS DE MERCADO:

Recuperação do emprego pode puxar varejo no segundo semestre, diz CNC

O surpreendente ritmo de crescimento das vendas do varejo, divulgado nesta terça-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), levaram a Confederação Nacional do Comércio (CNC) a rever para melhor suas projeções de desempenho do setor neste ano.

A previsão de crescimento do volume de venda do varejo passou de 1,2 % para 1,4 % em 2017. E a previsão para o varejo ampliado — que inclui a atividade de veículos e materiais de construção — passou de 1,6 % para 1,8 % .
Segundo Fábio Bentes, economista da CNC, além do resultado de junho ter sido melhor do que o esperado, a revisão reflete a melhora de condicionantes do consumo: inflação baixa, crédito mais barato e sinais de melhora do mercado de trabalho.

“O mais importante no segundo semestre será a recuperação do emprego. Os dados do Ministério do Trabalho já apontam melhora na geração de postos de trabalho. E sabemos que o consumo é muito atrelado ao emprego”, disse o economista. Bentes lembra que o mercado de trabalho costuma ser mais aquecido no segundo semestre, efeito das contratações tempor

Bentes lembra que o mercado de trabalho costuma ser mais aquecido no segundo semestre, efeito das contratações temporárias. Ele espera que a taxa de desemprego nacional caia dos atuais 13 % para 11 % no fim do ano.

“Claro que existe sazonalidade nessa queda da taxa de desemprego, mas, com os sinais de melhora que temos, talvez o mercado de trabalho seja o componente capaz de substituir o efeito que o FGTS teve para o varejo no primeiro semestre”, afirmou.

O economista refere-se aos saques das contas inativas do FGTS, responsáveis em boa medida pela recuperação das vendas de bens duráveis. As vendas de móveis e eletrodomésticos cresceram 12,7 % em junho, ante maio.

Segundo a CNC, dos aproximados R$ 44 bilhões em saques do FGTS, 40 % — ou cerca de R$ 20 milhões — teriam sido direcionados para gastos no comércio. “É um contribuição importante e, por isso, a recuperação do emprego será importante.”

Bentes também chama atenção para o fato de a recuperação das vendas do varejo ter sido, em boa medida, concentrada na região Sul do país no primeiro semestre. Os melhores desempenhos foram em Santa Catarina (12,1 % ) e Rio Grande do Sul (+8,1 % ).

“O agronegócio tem sido um dos responsáveis pela recuperação do emprego. E muito do agronegócio está concentrado na região Sul do país. Isso não vem de agora. O agronegócio foi responsável por uma parcela da recuperação do PIB”, afirmou.

 

 

Fonte: valor.com.br

ENCONTRE CANDIDATOS AQUI

Consulte o perfil de Profissionais e Executivos recomendados pela AGNIS.

Você pode agendar entrevista diretamente com eles, sem custo para sua Empresa.

ENCONTRE OPORTUNIDADES AQUI

Acompanhe as vagas liberadas por nossos Clientes para divulgação.

Aqui você poderá se candidatar diretamente naquelas que estejam no seu perfil, mas antes deverá cadastrar seu CV.

ONDE ESTAMOS