NOTíCIAS DE MERCADO:

Repsol Sinopec rejeita termos de mega leilão do pré-sal

A Repsol Sinopec Brasil considerou pouco atraentes os termos de um mega leilão de áreas no pré-sal que o governo brasileiro realizará na próxima semana, o que deixou a companhia de fora do grupo de 14 petroleiras habilitadas a fazer propostas no certame que oferecerá excedentes da chamada cessão onerosa, disse o principal executivo da companhia no país na terça-feira (30).
Questionado nos bastidores do congresso internacional OTC Brasil 2019 sobre se os bônus de assinatura fixados para o leilão eram muito caros, o CEO da Repsol Sinopec Brasil, Mariano Ferrari, disse: "Nós não estamos participando, o que deve responder sua pergunta."

O leilão, agendado para 6 de novembro, terá uma cobrança de bônus de assinatura no total de US$ 106,5 bilhões se consideradas todas áreas ofertadas. A vai ofertar os excedentes (volumes superiores aos 5 bilhões de barris que a Petrobras tem o direito de produzir nesses locais) de quatro áreas do pré-sal da Bacia de Santos: Búzios, Itapu, Atapu e Sépia.

As áreas do leilão representam o mais próximo de uma aposta certeira no mundo da produção de petróleo offshore, uma vez que a Petrobras já realizou trabalhos significativos de exploração.

Como resultado, já se sabe que as áreas possuem bilhões de barris de petróleo, o que reduz o chamado risco exploratório. Esse argumento tem sido usado pelo governo para a cobrança dos pesados bônus, além de uma parcela da produção futura, o que reduz as margens de lucro e tem afastado algumas empresas.

Mas a Repsol Sinopec, uma joint venture entre a espanhola Repsol e o grupo chinês Sinopec, deve participar em um outro leilão, no dia 7 de novembro, no qual o governo espera levantar US$ 7,85 bilhões em bônus de assinatura.

Mais cedo na terça-feira, Miguel Pereira, CEO da Galp Energia, unidade da portuguesa Petrogal, disse que os termos do leilão dos excedentes da cessão onerosa tornaram "bastante difícil" a participação da empresa.

A cessão onerosa
O acordo da chamada "cessão onerosa" foi fechado pela Petrobras com a União em 2010 e permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal na Bacia de Santos, sem licitação. Em troca, a empresa pagou R$ 74,8 bilhões. De lá para cá, no entanto, descobriu-se que a reserva é bem maior - um excedente estimado em até 15 bilhões de barris adicionais. É a exploração desse excedente que será leiloada.

 

 

Fonte: AGNIS

ENCONTRE CANDIDATOS AQUI

Consulte o perfil de Profissionais e Executivos recomendados pela AGNIS.

Você pode agendar entrevista diretamente com eles, sem custo para sua Empresa.

ENCONTRE OPORTUNIDADES AQUI

Acompanhe as vagas liberadas por nossos Clientes para divulgação.

Aqui você poderá se candidatar diretamente naquelas que estejam no seu perfil, mas antes deverá cadastrar seu CV.

ONDE ESTAMOS